Pai, começa o começo!


Quando eu era criança e pegava uma tangerina para descascar, corria para o meu pai e pedia: "Pai, começa o começo!"

O que eu queira era que ele fizesse o primeiro rasgo na casca, a parte mais difícil e resistente para as minhas pequenas mãos. Depois, sorridente, ele sempre acabava descascando toda a fruta para mim. Mas, outras vezes, eu mesmo tirava o restante da casca a partir daquele primeiro rasgo providencial que ele havia feito.

Não sou mais criança. E muitas vezes fico tão perdido sem saber pra quem pedir pra, pelo menos, "começar o começo" de tantas cascas duras que encontro pelo caminho...

Hoje minhas "tangerinas"são outras. Preciso "descascar"as dificuldades do trabalho, os problemas no núcleo familiar, o esforço diário para fazer tudo certo, para não decepcionar as pessoas que me amam, as dúvidas e conflitos que nos afligem diante de decisões e desafios. E em certas ocasiões minhas "tangerinas" transformam-se em enormes "abacaxis"...

Lembro-me , então, que a segurança de ser atendido pelo papai, quando lhe pedia para "começar o começo", era o que me dava a certeza que conseguia chegar até ao último pedacinho da casca e saborear a fruta.

Quando a vida parecer muito grossa e difícil, como a casca de uma tangerina para as mãos frágeis de uma criança, lembra-se de pedir a Deus: "Pai, começa o começo!"

Ele não só "começará o começo", mas resolverá toda a situação para você. Não sei que tipo de dificuldade eu encontrarei pelo meu caminho. Sei apenas que vou me garantir no Amor Eterno de Deus para pedir, sempre que for peciso. "Pai, começa o começo!".

(Autor desconhecido)

A vontade de mudar



      Estive meditando sobre o processo de mudança em nossas vidas e como se dá a ação de transformação, transformação esta, que ocorre de dentro para fora, exclusivamente.
      A mudança implica dor. Dói porque nos obriga a romper calcinados de conforto e preguiça, onde controlamos e sabemos tudo. Obriga-nos a crescer e não há nada que cresça sem nos abanar, criar desconforto e necessidade de adaptação. Mas quem muda sempre alcança. Ninguém chega a lado nenhum que valha a pena sem ter mudado alguma coisa. A vontade de mudar é como uma ignição que ativa o principal motor que nos conduz, o coração. Mudar é assumir responsabilidade, é enfrentar de frente o desconhecido e consequentemente os medos mais ocultos que permeiam nossa razão e finalmente agir.
      Mudar é estar preparado, disponível para viver sob nova ordem, novo prisma e cima de tudo, pronto a superar à si mesmo.

Sapos Fervidos


     Estudos biológicos mostraram que um sapo colocado num recipiente, com a mesma água de sua lagoa, fica estático durante todo o tempo em que aquecemos a água, mesmo que ela ferva. O sapo não reage ao gradual aumento da temperatura (mudança de ambiente) e morre quando a água ferve. Inchado e feliz.

     Por outro lado, outro sapo que seja jogado nesse recipiente com a água já fervendo salta imediatamente para fora. Meio chamuscado, porém vivo!

     Às vezes, somos sapos fervidos. Não percebemos as mudanças. Achamos que está tudo muito bom, ou que aquilo que está mal vai passar, é só questão de tempo. Estamos prestes a morrer, mas ficamos boiando, estáveis e apáticos, felizes, sem perceber as mudanças à nossa volta.

     Sapos fervidos não notam que, além de ser eficientes (fazer certo as coisas), precisam ser eficazes (fazer as coisas certas). E para que isso aconteça, há a necessidade de um contínuo crescimento, com espaço para o diálogo, para a comunicação clara, para dividir e planejar, para uma relação adulta.

     O desafio ainda maior está na humildade em atuar respeitando o pensamento do próximo. Há sapos fervidos que ainda acreditam que o fundamental é a obediência, e não a competência: "manda quem pode, obedece quem tem juízo". E nisso tudo, onde está a vida de verdade? É melhor sair meio chamuscado de uma situação, mas vivos e prontos para agir.